Principais doenças dermatológicas

phototake_photo_of_ringworm_on_shoulder
Acne:
A acne é uma das doenças mais comuns na dermatologia e atinge ambos os sexos nas mais diversas idades. Sendo os adolescentes os mais acometidos. Popularmente chamada de espinha, ela é uma dermatose inflamatória crônica desenvolvida por fatores como oleosidade, hiperqueratinização folicular e colonização bacteriana pelo Propionibacterium. O tratamento varia conforme a gravidade da doença, idade, sexo, alimentação, uso de medicações, distúrbios hormônais, estilo de vida. De grande impacto psicossocial a acne necessita de tratamento direcionado e efetivo.

Alergias: Pode se manifestar como eczemas de vários tipos, erupções a medicamentos e urticária. Coceira é uma manifestação comum e muitas vezes são necessários testes específicos para o esclarecimento de suas causas.

Alopécia (queda de cabelo) é a redução parcial ou total de pelos ou cabelos numa área da pele. Existem tipos diferentes de alopécia. Classificadas como cicatriciais e não cicatriciais, as causas são muitas: por alterações hormonais e genéticas, auto-imunidade, alimentação inadequada e falta de vitaminas, stress, secundárias a outras doenças (por exemplo, anemia e alteração da tireóide), pós-parto, entre outras.

Câncer de pele: O câncer de pele é o tumor mais comum na população, correspondendo por cerca de 25% dos cânceres do corpo humano. A doença é definida como crescimento anormal e desorganizado de células que compõem a pele. Os tipos mais comuns são: Carcinoma Basocelulare e Carcinoma Espinocelular. Já o subtipo mais agressivo e com maior risco de metástases e morte é o Melanoma. Pessoas de pele clara, cabelo e olhos claros, múltiplos nevos (pintas), história familiar de câncer de pele e alterações genéticas são alguns dos fatores de risco para desenvolvimento dos cânceres de pele. Outro fator de extrema importância é a exposição ao SOL. Por isso a prevenção com uso de filtros solares, roupas e acessórios de proteção são tão importantes.

Dermatite Atópica: Dermatite atópica (ou eczema atópico) é um processo inflamatório crônico da pele caracterizado por lesões avermelhadas, que coçam muito e, às vezes, descamam. Geralmente, elas se localizam na face das crianças pequenas e nas dobras do joelho e cotovelo das crianças maiores e dos adultos. Cerca de 30% dos indivíduos com dermatite atópica têm asma ou rinite alérgica e 15% têm surtos de urticária. O indivíduo com dermatite atópica tem um aumento da reatividade cutânea frente a inúmeros estímulos. Os mecanismos responsáveis por esta reatividade alterada não são completamente conhecidos. Sabe-se que fatores genéticos, imunológicos e não-imunológicos, contribuem para o aparecimento.

Dermatite seborreica:  A dermatite seborreica é uma inflamação na pele que causa principalmente escamação e vermelhidão em algumas áreas da face, como sobrancelhas e cantos do nariz, couro cabeludo e colo. É uma doença de caráter crônico, com períodos de melhora e piora dos sintomas. A causa não é totalmente conhecida, e a inflamação pode ter origem genética ou ser desencadeada por agentes externos, como alergias, situações de fadiga ou estresse emocional, tempo frio, excesso de oleosidade. A dermatite seborreica em recém-nascidos, conhecida como crosta-láctea, é uma condição inofensiva e temporária. Aparecem crostas grossas e amarelas ou marrons sobre o couro cabeludo da criança.

Estrias: As estrias ocorrem mais nas mulheres, podendo ser discretas ou exuberantes. O aspecto é de lesões lineares rosadas ou da cor da pele, deprimidas ou discretamente elevadas na fase inicial e brancas quando tardias, com espessura e/ou largura variáveis e mais frequentes nas nádegas, coxas, abdome e costas. Surgem principalmente durante o estirão do crescimento, ganho de peso, gravidez, uso de corticosteroides.

Herpes: O herpes simples é uma doença contagiosa muito comum causada pelo vírus HSV (vírus do herpes simples humano). Existem dois tipos de HSV: o tipo 1, que frequentemente se associa as lesões orais, e o tipo 2, que é responsável por 80 a 90% das lesões genitais. A contaminação ocorre pela exposição direta ao contato da pele e das mucosas com uma pessoa infectada.

A infecção primária é definida como a primeira infecção pelo HSV em um paciente que nunca teve contato anterior com o vírus. Após a exposição o paciente poderá desenvolver as lesões da infecção primária, que geralmente são mais graves, ou apresentar uma infecção subclínica, na qual não existem lesões aparentes. Após a infecção primária, o vírus tem a capacidade de permanecer no corpo humano sem nenhum sinal ou sintoma, podendo posteriormente ser reativado para produzir a doença recorrente (herpes redicivante), que geralmente é menos grave e de duração mais curta que a infecção primária.

A doença se caracteriza por vesículas que se agrupam como em um cacho de uva e rapidamente progridem para feridas. Comumente ocorrem nos lábios e na genitália, embora possam surgir em outras regiões.

Manchas e Melanoses – As manchas na pele podem acontecer desde o nascimento ou surgem ao longo da vida. Muita exposição ao sol, envelhecimento da pele, alergias e mesmo câncer estão entre os fatores que causam manchas. As melanoses, também conhecidas como “manchas senis”, aparecem em pessoas mais velhas e são resultado, basicamente, da ação do sol ao longo dos anos.

O melhor é prevenir, usando o protetor solar nas áreas expostas ao sol, não apenas na praia e na piscina, mas no dia a dia.

Pode ser realizado com cauterização química, eletrocoagulação, criocirurgia, dermoabrasão, peelings químicos e também com o uso de lasers e luz intensa pulsada. A aplicação desses tratamentos em peles étnicas requer muita cautela: são necessários parâmetros adequados dos aparelhos de luzes e a indicação correta dos ácidos e suas porcentagems para os peelings.

Melasma – Manchas escuras que aparecem na face. A causa está relacionada a fatores hormonais, normalmente a gravidez ou uso de pílulas anticoncepcionais, sendo o fator desencadeante a exposição solar. Quando ocorre na gravidez, tem o nome de ‘cloasma gravídico’. O melasma pode ter componente somente melânico, componente predominante de vasos ou ser um misto de melanina e pequenos vasos locais. Também pode ter uma localização mais epidérmica (superficial) ou dérmica (profunda), ou mista. É mais comum nas mulheres, mas nos homens também pode aparecer. Tendência genética é fator predisponente. O uso do protetor solar diário é imperativo para o tratamento do melasma.

Micoses de pele: As micoses são infeções bastante comuns e às vezes rebeldes, de difícil cura. Trata-se de uma doença de pele causada por fungos, que nada mais são que micro-organismos bem adaptados a locais quentes e úmidos. O incômodo da micose pode aparecer em qualquer parte da pele (principalmente virilhas e pés), unhas, barba e couro cabeludo.

Olheiras: As olheiras são decorrentes de uma concentração maior de melanina (o pigmento que dá cor à pele) somada à vascularização sanguínea e a uma pele fina em volta dos olhos. Podem ser influenciadas por condições rotineiras como cansaço, estresse físico ou emocional, além do tabagismo, mas a genética em geral é o fator mais importante.

Psoríase: É uma doença inflamatória da pele, não contagiosa. Tem períodos de melhora e piora e na maioria dos casos surge no couro cabeludo, cotovelos e joelhos. No entanto, pode aparecer em qualquer parte da pele, bem como nas unhas, couro cabeludo e articulações (artrite psoriásica).

A psoríase pode se manifestar em qualquer época da vida, sendo mais frequente entre a segunda e quarta décadas de vida, afetando igualmente homens e mulheres. A causa da psoríase está relacionada a fatores genéticos, imunológicos e ambientais.

O diagnóstico é feito pelo exame clínico das lesões e, em casos de dúvida, pode ser feita uma biópsia da pele.

O tratamento é individualizado, dependendo do tipo e extensão das lesões e das características de cada pessoa.

Verruga Viral: Verrugas são proliferações benignas da pele causadas pelo papilomavírus humano (HPV). A infecção ocorre nas camadas mais superficias da pele ou mucosa, ativando o crescimento anormal das células da epiderme.

A transmissão do HPV ocorre por contato direto com pessoas e/ou objetos infectados. Pequenas feridas são necessárias para inoculação do HPV, motivo pelo qual as verrugas são mais comuns em áreas de traumas. É possível ocorrer autoinoculação por meio de pequenos ferimentos que servem de porta de entrada para o vírus, também a transmissão pelo contato sexual e pela via materno-fetal no momento do parto. Pacientes com baixa imunidade são os mais vulneráveis ao aparecimento de verrugas. O pico de incidência ocorre entre 12 e 16 anos.

Vitiligo: O vitiligo é uma doença caracterizada pela perda da coloração da pele. As lesões formam-se devido à diminuição ou ausência de melanócitos (as células responsáveis pela formação da melanina, pigmento que dá cor à pele) nos locais afetados. As causas da doença ainda não estão claramente estabelecidas, mas fenômenos autoimunes parecem estar associados ao vitiligo. Além disso, alterações ou traumas emocionais podem estar entre os fatores que desencadeiam ou agravam a doença.

A doença é caracterizada por manchas brancas na pele com uma distribuição característica. O tamanho das manchas é variável.

O vitiligo possui diversas opções terapêuticas, que variam conforme o quadro clínico de cada paciente.

Sociedade Brasileira de Dermatologia
http://www.sbd.org.br/